Trabalho de investigação do IPOP é capa na revista internacional Cancers

O artigo científico selecionado intitula-se “Extracellular Vesicles Enriched in hsa-miR-301a-3p and hsa-miR-1293 Dynamics in Clear Cell Renal Cell Carcinoma Patients: Potential Biomarkers of Metastatic Disease” e incide sobre o estudo de microRNAs em Vesículas Extracelulares (VEs) derivadas de doentes com carcinoma de células renais seguidos na instituição com o intuito de estabelecer novos biomarcadores de prognóstico, estudados por técnicas minimamente invasivas. Pode ver aqui:
https://www.mdpi.com/2072-6694/12/6

O estudo, desenvolvido nos últimos anos, permitiu observar que indivíduos com doença metastática apresentavam maiores níveis de hsa-miR-301a-3p e menores níveis de hsa-miR-1293 dentro de vesículas extracelulares quando comparados com indivíduos submetidos a cirurgia e atualmente sem evidência de doença, o que evidencia o potencial destes microRNAs como biomarcadores de doença metastática em doentes com carcinoma de células renais.

Estas vesiculas são obtidas a partir de uma amostra de sangue, o que faz desta abordagem uma técnica pouco invasiva e dolorosa para doente, o que vai de encontro às vantagens do uso de biópsias líquidas.

O presente estudo fomentou a interação de várias equipas, contando com a participação interna dos Serviços de Urologia, Oncologia Médica, Anatomia Patológica e do Grupo de Epigenética e Biologia do Cancro do IPO-Porto. Destacando-se também a colaboração do Grupo Systems Oncology do Centro de Investigação da Fundação Champalimaud e do Departamento de Genética da Universidade de Groningen (Holanda). 

Neste âmbito, três dos autores da publicação foram também convidados pelo grupo editorial da MDPI para dirigirem uma edição especial da mesma revista dedicada aos avanços dos RNAs não codificantes no carcinoma de células renais. A edição especial intitula-se “Noncoding RNAs in Renal Cell Carcinoma Landscape” (https://www.mdpi.com/journal/cancers/special_issues/Noncoding_RNAs_RCC) e tem como editores convidados o coordenador do Grupo de Oncologia Molecular e Patologia, Rui Medeiros e as investigadoras Ana Luísa Teixeira e Francisca Dias.

2.º Prémio Melhor Poster | Encontros da Primavera 2020

O objetivo deste trabalho foi avaliar a concordância entre as classificações moleculares obtidas por imunohistoquímica (IHQ4: RE/RP/HER2/Ki67) e pelo perfil genómico PAM50, bem como as potenciais mudanças na decisão terapêutica de acordo com as diferentes classificações e estratificações de risco, em doentes com cancro da mama nos quais o clínico pode ter dúvidas sobre a necessidade de quimioterapia após o tratamento cirúrgico.

A metodologia passou por avaliar todos os testes de perfil genómico realizados no Serviço de Genética, de doentes do IPO-Porto e doentes de 15 outros hospitais portugueses e brasileiros, usando os mesmos critérios de indicação para teste e assumindo que os vários hospitais aplicam as regras de decisão terapêutica definidas na nossa instituição.

Este estudo demonstrou que a utilização do teste genómico PAM50 em doentes selecionadas e a aplicação das recomendações terapêuticas seguidas no IPO do Porto levaria à alteração da decisão terapêutica inicialmente estabelecida baseada na IHQ4 em 44% dos doentes com cancro da mama com indicação para fazer o teste, sendo que a percentagem de doentes testados com indicação para fazer quimioterapia adjuvante baixa de 58% para 52%.

Este estudo demonstra que o perfil genómico PAM50 pode ter um impacto importante na decisão da necessidade de quimioterapia adjuvante.

Coronavírus – Medidas de Prevenção

Solicitamos a melhor atenção às seguintes recomendações:

Se verificar sintomas sugestivos de infeção respiratória (febre, tosse, expetoração e/ou falta de ar) E esteve fora do país nos últimos 14 dias OU contactou com pessoas que estiveram fora do país nos últimos 14 dias (CHINA, COREIA DO SUL, IRÃO, SINGAPURA, JAPÃO E ITÁLIA) NÃO DEVE vir ao IPO do Porto.

SE TIVER DÚVIDAS, CONTACTE A LINHA SAÚDE 24.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO:

1 – Suspensão temporária de visitas por tempo indeterminado, salvo casos que tenham indicação clínica excepcional

2 – Suspensão de acesso a delegados de informação médica e representantes comerciais por tempo indeterminado

3 – Alteração de critérios de doação de sangue por tempo indeterminado:

NÃO DÊ SANGUE SE:

  • Teve possível exposição/contacto com caso confirmado COVID-19.
  • Viajou nos últimos 28 dias para países com transmissão local ativa confirmada de casos de COVID-19.

4 – Suspensão de atividades de formação a decorrer na EPOP (Escola Portuguesa de Oncologia do Porto)com efeito a partir do dia 10 de março:

·         A atividade formativa presencial em sala de aula ou auditórios;

·         Os estágios incluídos em licenciaturas, já iniciados;

·         Todos os estágios ainda não iniciados.

Excecionalmente mantêm-se as atividades:

·         Atividade prevista para o auditório principal no dia 10 de março;

·         Os estágios internacionais e ERASMUS, já iniciados.

Todas as situações não previstas nesta publicação, devem ser reportadas à EPOP.

Prémio príncipe da beira

Catarina Macedo Silva, estudante de doutoramento e membro do Grupo de Investigação de Epigenética e Biologia do Cancro do IPO Porto, foi a vencedora da 3.º edição do «Prémio Príncipe da Beira Ciências Biomédicas», com o trabalho “MicroRNAs methylation profiling as detection tools and radiotherapy resistance biomarkers in liquid biopsies of esophageal cancer patients (MirMethylEca)”.

Este prémio, entregue no passado dia 4 de fevereiro, é instituído pela Fundação Dom Manuel II (representada por Duarte Pio de Bragança) em conjunto com a Universidade do Minho e o Município de Guimarães. Visa reconhecer anualmente um jovem investigador, com menos de 40 anos, na área das Ciências Biomédicas, com a atribuição de um subsídio no valor de 15 mil euros.

IPO representado na Associação das Ligas Europeias do Cancro (ECL)

Os restantes membros do Executive Board da ECL representam a Finlândia, Dinamarca, Chipre, Eslováquia e o Luxemburgo. A ECL inclui organizações como a AECC-Asociacion Española Contra el Cancer, Dutch Cancer Society, German Cancer Society, Danish Cancer Society, French League Against Cancer, Liga Portuguesa Contra o Cancro (da qual o Prof. Rui Medeiros é membro da Direção) e a Cancer Research UK

Da missão da ECL-Association of European Cancer Leagues consta a otimização das estratégias de controlo do cancro e a melhoria dos tratamentos e cuidados dos doentes na Europa.

A localização da sede da ECL em Bruxelas e a ação das suas Task Forces designadas Access to Medicine, Cancer Prevention, Patient Support, Tobacco Control,and MEP (Members of European Parliament) against Cancer permitem uma intervenção permanente em diferentes frentes, constituindo uma plataforma ativa na consensualização das diferentes ligas/associações europeias na luta contra o cancro.

ECL – Association of European Cancer Leagues – Fondation Cancer – Luxembourg – Ville – Parc Hotel Alvisse – 28/11/2019 – photo: claude piscitelli

Reunião internacional sobre investigação em Urologia em Portugal

Responsável pela elaboração do programa científico, Carmen Jerónimo, investigadora no IPO-Porto e membro do board da ESUR, realça “a necessidade de estabelecer pontes entre médicos e investigadores, de forma a encontrar ferramentas para o tratamento dos tumores urológicos”, adiantando que “a principal mensagem a transmitir nesta reunião será a importância da multidisciplinaridade”.

Do programa científico, Carmen Jerónimo destaca a sessão dedicada à imunoterapia, nomeadamente a palestra de Gabriel van der Pluijm, professor na Universidade de Leiden, na Holanda, que vai falar sobre a utilização de vírus oncolíticos no desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas. Na mesma sessão, Paola Arimondo, do Instituto Pasteur em Paris, irá abordar o desenho de fármacos epigenéticos e Jesus Paramio (Hospital Universitário 12 de Octobre, Madrid) falará da sua aplicação para estimulação da resposta imunológica dos tumores da bexiga. Do último dia da reunião, a responsável salienta a intervenção de Dara Hallinan, especialista em Direito no FIZ Karlsruhe – Leibniz Institute for Information Infrastructure, na Alemanha, que incidirá sobre a alteração da lei de proteção de dados na União Europeia, “uma temática que tem afetado a investigação e que gera preocupação na comunidade científica”, explica.

Relativamente à participação portuguesa, Carmen Jerónimo evidencia a palestra de Ana Charrua, investigadora na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, que incidirá sobre a relação entre as neutrofinas e a síndrome da bexiga dolorosa. Outro ponto alto deste evento será a sessão conjunta da ESUR com a EAU Section of Uropathology (ESUP), que vai abordar questões como os genes de reparação do ADN, as formas hereditárias de cancro urológico, os tumores esporádicos e as biópsias líquidas, com a coordenação do conceituado Patologista italiano Rodolfo Montironi, Diretor da ESUP.

O cancro da próstata representa a 4ª causa de morte por cancro no homem, atrás do cancro do pulmão, coloretal e estômago, sendo porém o cancro mais frequente no homem de mais de 50 anos. Em Portugal, estima-se que tenha uma incidência de 136 casos por 100 000 habitantes e uma mortalidade de 37 por 100.000 habitantes. Representa cerca de 3,2% de todas as mortes de homens no país e mais de 10% das mortes por cancro.

 

IPO assina protocolo com SPMS

Mais especificamente, vai ser criado um grupo de trabalho conjunto que analisará e acompanhará a viabilidade de adoção do Suite Hospitalar (SONHO v2 / SClínico). Pretende-se com esta medida “inovar e melhorar continuamente o sistema de informação hospitalar, uniformizar e estruturar o registo clínico oncológico e proporcionar maior segurança para os profissionais e cidadãos

João Oliveira é o novo presidente do Grupo Hospitalar IPO

Decorreu no IPO de Coimbra a primeira reunião do Conselho de Direcção do Grupo Hospitalar Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil (GHIPOFG), na sua nova constituição.

O GHIPOFG foi criado em 2014 tendo em vista uma eficiente utilização dos recursos disponíveis, a criação de um modelo de governação comum e a contribuição para a concretização da política do SNS relativa à Oncologia.

O Conselho de Direcção do GHIPOFG é, desde 15 de Agosto presidido pelo Presidente do IPO de Lisboa, João Oliveira, reunindo também os Presidentes dos IPOs de Coimbra e do Porto, Margarida Ornelas e Rui Henrique, respectivamente.

 Nesta reunião foram discutidos, entre outros assuntos, a coordenação das atividades de prestação de cuidados de saúde, de formação de profissionais, de investigação em oncologia e de registo oncológico da responsabilidade dos hospitais do Grupo, bem como a coordenação das ações de prevenção primária, secundária e de rastreio, em colaboração com os demais serviços, organismos e entidades do Serviço Nacional de Saúde.

 

Apresentação de resultados do projeto PRO-DOSE

O projeto consistiu no desenvolvimento e validação clínica de um sistema inovador para monitorização da dose durante os tratamentos de radioterapia, em tempo real e in vivo.

Assinalando o encerramento do projeto, no dia 27 de junho, realizou-se no IPO-Porto o evento de divulgação de resultados, onde estiveram presentes 26 pessoas, na sua maioria físicos médicos e dosimetristas do IPO-Porto, mas também elementos do IPO-Coimbra, da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, da Atomedical – Laboratórios de Medicina Nuclear e da Agência Nacional de Inovação – ANI.

João Santos, Coordenador do Grupo de Física Médica, Radiobiologia e Proteção Radiológica do Centro de Investigação do IPO-Porto, fez a abertura do evento seguindo-se duas apresentações por Joana Lencart, Diretora do Serviço de Física Médica do IPO-Porto que demostrou o porquê da dosimetria in vivo e como se pode aplicar na prática clínica. Luis Moutinho, CEO da NU-RISE, apresentou os resultados do projeto e evidenciou o futuro da dosimetria in vivo. No final, o evento foi marcado pela simulação um tratamento, com recurso a fantomas, na sala de tratamentos do Serviço de Braquiterapia, onde se demonstrou o funcionamento e as vantagens do dosímetro desenvolvido.

Destaca-se que, ao longo destes quase três anos, vários protótipos foram desenvolvidos e testados no IPO do Porto, de onde surgiram publicações que foram apresentadas internacionalmente na conferência anual da Sociedade Europeia de Radioterapia – ESTRO.